A evolução da medicina leva hoje ao tratamento da dor com um enfoque MULTIDISCIPLINAR ou MULTIPROFISSIONAL, dada a sua complexidade. As principais vantagens dessa abordagem são a “individualização” do tratamento e a recuperação rápida e efetiva.

Realizado em parceria com o médico responsável, o modelo de tratamento multidisciplinar realizado na Aliviar, associado a um atendimento que privilegia o perfil psicológico e social do paciente, tem obtido resultados rápidos e eficazes no alívio da dor. Os especialistas da Aliviar atuam para reintegrar e manter o paciente no convívio sóciofamiliar e profissional, acelerando sua recuperação e optando por procedimeTratamento da Dorntos de baixa complexidade, sempre que possível.

O tratamento adequado dos processos dolorosos tem como pilar fundamental o diagnóstico das causas que provocaram o seu aparecimento, com base em exames clínicos e complementares. Ele deve envolver interações biológicas psicossociais.

O esclarecimento das situações reduz as incertezas, permite melhor adesão ao tratamento e maior confiança nas atitudes terapêuticas. A remoção, quando possível, das causas, o uso de medicamentos analgésicos e adjuvantes, psicoterapia, procedimentos anestésicos e neurocirúrgicos, devem ser aplicados de modo racional e selecionados de acordo com a natureza, gravidade e complexidade de cada caso, contemplando custos e respeitando a necessidade de cada indivíduo.

Em casos de dor aguda, a intervenção visa ao alívio da dor e recorre fundamentalmente à remoção das causas e ao uso de medicamentos, métodos simples de medicina física e de medicina comportamental. A completa eliminação da sensação dolorosa não é o objetivo primordial das intervenções realizadas para casos de dor crônica. As principais razões do tratamento são a maximização do conforto, a modificação do valor simbólico da dor, a normalização ou restauração das funções físicas, psíquicas e sociais dos doentes, o desenvolvimento da autoconfiança, a eliminação do medo de que novas lesões possam se instalar e a diminuição do uso de medicamentos.

As medidas fisiátricas visam ao alívio da dor, ao relaxamento muscular, à melhora da vasoatividade, ao fortalecimento da musculatura, à melhora do desempenho físico, à prevenção, ao tratamento e a minimização das anormalidades primárias e das seqüelas geradas pela dor e pelo imobilismo. Proporcionam reabilitação mais rápida e mais apropriada dos doentes com incapacidades motoras e neurovegetativas.

Técnicas destinadas a dessensibilização, à manutenção do tono, da potência e do trofismo muscular; da amplitude articular; e o uso de palmilhas, suportes para cadeiras e dispositivos para apoio dos braços, de órteses e próteses, meios físicos, agulhamento, infiltrações do pontos-gatilho, cinesioterapia, são os procedimentos de medicina mais comuns para promover reabilitação e analgesia.

Técnicas de terapia ocupacional e a biodança estimulam o interesse pelas atividades domiciliares e de trabalho que contribuem para a recuperação da força, coordenação e destreza.

A reeducação e o recondicionamento do aparelho circulatório e respiratório são importantes para reabilitação.

A orientação vocacional é estratégia importante do tratamento. Não havendo condições para retorno às funções originais, a readaptação para a execução de outras atividades é fundamental.

Os procedimentos neurocirúrgicos são utilizados quando as medidas menos evasivas não proporcionarem resultados satisfatórios.